O ILHEU

O ILHEU

terça-feira, 29 de junho de 2010

Hoje só digo que gostava muito de viver sózinha.
Não me assusta. Só vejo vantagens.
Ter a casa sempre limpa e só para mim.
Não ter de cozinhar.
Ir para onde quisesse e me apetecesse.
Não ter ninguem a chagar-me a cabeça.
Ouvir a música que gosto.
E mais e mais.
Só que não tenho coragem para dizer o tal basta.
Não é medo. Isso eu não tenho. É mesmo a tal
falta de coragem ou de "tomates".

domingo, 27 de junho de 2010

Em que é que ficamos?

Ele diz que eu faço o que quero. que tomo as
decisões que quero, que não peço opinioões
que sou livre e independente.
Eu acho que não, pelo contrário sinto-me
bastante limitada na minha liberdade como
mulher e como pessoa. Se eu fosse indepen-
dente e livre nem sequer estava aqui a escre-
ver estas linhas. Sei que preciso de ser livre
para ser feliz. E neste momento não sou livre
nem feliz. Faço por viver a vida e não gosto de
estar sempre a lamentar-me mas de facto sem
liberdade nunca ninguem é totalmente feliz.

domingo, 20 de junho de 2010

PORTO SANTO

Porque será que ninguem percebe o quanto
preciso do Porto Santo?
Sempre que digo que quero lá ir fazem "ouvidos
de mercador".
Será isto gostar de uma pessoa? Para mim não!
Gostar é perceber, é deixar a pessoa poder voar
e não a ter "acorrentada", é dar liberdade.
Quanto menos liberdade me dão mais eu fujo.
Porque o meu corpo está, mas o resto (e temos
pena) mas o resto ou seja os meus pensamentos
esses são só meus.Ninguém mos tira e com os meus
pensamentos posso voar até onde eu quiser.
Com os meus pensamentos sou a pessoa mais
livre do mundo e é isso que me faz ir para a frente.